sábado, 30 de junho de 2012

Descoberta primeira caverna vulcânica do Brasil

Além da descoberta da caverna encontrou-se o que podem ser fósseis

A primeira caverna de origem vulcânica do país, é chamada de Casa da Pedra. "É uma cavidade diferenciada. A gente conhece caverna de calcário, de arenito, mas as cavernas em basalto só quem foi para o exterior para conhecer isso", explicou a professora do Departamento de Geografia da Unioeste Gisele Petrobelli. Segundo ela, assim como a cavidade encontrada em Palmital, existe apenas no Hawai. "É uma riqueza muito grande no Brasil", avaliou a professora. O local despertou a curiosidade pesquisadores quando o Secretário de Meio Ambiente e Turismo de Palmital, Miguel Burei, sobrinho do dono da fazenda, publicou as fotos em redes sociais, na internet. Professores do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo foram até o local para reconhecer a origem geológica até então desconhecida no Brasil. Após a descoberta científica, o proprietário decidiu doar 1% da terra para pesquisa científica e o local foi isolado. Isso porque foram encontradas ossadas que podem ser de animais pré-históricos. Segundo a professora da Unicentro, a duto principal possui 37 metros de extensão.
Além da Casa da Pedra, existe outra caverna na fazenda que também é de origem vulcânica. Enquanto na primeira há um duto, na segunda existem quatro. Na verdade se trata de um sistema de tubos de lava, chamado de Peraú Branco. (As fotos são de Miguel Burei/ Arquivo pessoal)

Em alguns trechos da Caverna percebeu-se que o chão é oco, o que segundo especialistas, indica que deve haver outros dutos embaixo da Casa da Pedra. Para ele, pelas características da região podem haver outras raridades escondidas no Terceiro Planalto paranaense.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Ancestral humano comia árvores

'Australopithecus sediba' viveu há 2 milhões de anos.

A descoberta de uma pesquisa publicada nesta quarta-feira (27) revelou que um dos antepassados do ser humano se alimentava de galhos de árvores e pequenos arbustos. A dieta não parece estranha só para os humanos modernos, mas também para outros hominídeos, segundo os autores do estudo. Foi feita pela análise do carbono nos dentes desses antepassados. O Australopithecus sediba, que viveu no sul da África há cerca de 2 milhões de anos, tinha evidências de um grupo alimentício chamado pelos cientistas de C3, que envolve árvores e galhos.
Ainda não há um consenso entre os especialistas sobre a posição do A. sediba na árvore genealógica dos hominídeos – acredita-se que ele seja um descendente do Australopithecus africanus. A descoberta da espécie foi anunciada em 2010, por isso estudos como o atual podem ajudar a caracterizar o hominídeo. Matéria do G1 da Globo, leia na integra.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Revelada nova espécie de dinossauro carnívoro

Bicentenária argentina é parente primitivo do Tiranossauro Rex

A nova espécie, apresentada por pesquisadores argentinos do Museu de Ciências Naturais (MACN) de Buenos Aires, foi batizada de Bicentenária argentina e seus restos foram achados na província de Rio Negro, na Patagônia argentina.
Os pesquisadores dizem que a espécie pode ser a primeira representante encontrada de uma nova linhagem dentro da família dos celurossauros, dinossauros que deram origem às aves.
Os paleontólogos acreditam que esse novo dinossauro teria o corpo coberto por penas. Os dinossauros adultos do grupo dos Bicentenária teriam entre 2,5 e 3 metros de comprimento, eram ágeis, magros e, pela forma de seus dentes e a presença das garras, teriam sido caçadores. "Podemos suspeitar que se alimentavam de pequenos dinossauros, herbívoros e filhotes de dinossauros", disse Novas.
As rochas que continham os ossos do Bicentenária têm cerca de 90 milhões de anos. Elas correspondem ao período Cretáceo Superior, que vai de 65 milhões há 98 milhões de anos. Foi um período de grande sucesso para os dinossauros, com muitas novas espécies aparecendo e se diversificando. "Os fósseis de celurossauros primitivos são raros. Por isso, essa nova espécie é muito importante", disse Steve Brusatte, da divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, dos Estados Unidos. Leia na integra no site Veja.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Arqueólogos acham esqueleto de mulher e de vaca juntos

Essa é a primeira vez que uma mulher desse período é encontrada enterrada ao lado de um animal doméstico.

Arqueólogos encontraram o esqueleto de uma mulher anglo-saxã que tinha sido enterrada ao lado de uma vaca. A descoberta foi feita durante escavações feitas em um antigo playground em Oakington, na Inglaterra, segundo o site de notícias "Cambridge News".
De acordo com os Arqueólogos se pensava que a mulher tivesse sido enterrada ao lado de um cavalo. segundo o arqueólogo Faye Simpson, os homens guerreiros eram enterrados com seus animais. No século 5, de acordo com ele, a vaca  era um animal muito importante para a sobrevivência de uma comunidade. Dr. Simpson, da Manchester Metropolitan University, disse que esta teoria foi apoiada pela descoberta de outros artigos de luxo entre os restos mortais, incluindo contas de âmbar, três colares e broches de liga de cobre.
A sepultura da mulher foi descoberta pela estudante Kate Smith, de 19 anos. Simpson acredita que possa haver até 60 sepulturas no cemitério antigo. Veja outras fotos da escavação na Galeria ARACNO.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Tiranossauro é roubado da Ásia e leiloado nos EUA

Tyrannosaurus bataar é um primo mais novo do Tiranossaurus Rex

O esqueleto reconstituído e quase completo deste Tarbossaurus bataar, primo mais novo do Tiranossaurus Rex que viveu no período Cretáceo há cerca de 70 milhões de anos, foi exportado ilegalmente para a Flórida (sudeste dos Estados Unidos) a partir da Grã-Bretanha em março de 2010.
O esqueleto foi leiloado (veja matéria) no dia 20 de maio em Nova York por US$ 1,05 milhão pela casa Heritage Auctions, com sede em Texas, segundo o promotor de Manhattan, Preet Bharara.
De acordo com a denúncia apresentada no tribunal federal de Manhattan, os documentos da alfândega foram falsificados, davam como país de origem do esqueleto a Grã-Bretanha, e afirmavam, entre outras coisas, que se tratava de duas cabeças de réptil. Seu valor foi estimado em US$15.000, quando o esqueleto foi oferecido a um preço base de US$ 950.000.
Fonte: Matéria do G1 da Globo.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Esqueleto de vampiro é descoberto em escavações

Esqueleto estava preso ao chão com quatro estacas de ferro

Esqueletos submetidos a um ritual antivampiro foi encontrado na Bulgária. Arqueólogos búlgaros descobriram um esqueleto da Idade Média com sinais de ter sido submetido a uma intervenção destinada a evitar que regressasse dos mortos. O corpo foi encontrado com as mãos atadas, no subsolo de uma igreja em Veliko Tarnovo, a 220 ​​km da capital Sófia. A escavação, conduzida por Nicolai Ovcharov, descobriu igualmente uma bolsa com 30 moedas de prata, segundo Ovcharov para "pagar o transporte para o além".
A descoberta anunciada ontem junta-se a outra que está a causar alguma sensação na bulgária. Trata-se de um corpo sepultado segundo os rituais concebidos para vampiros. O esqueleto foi encontrado em Sozopol, data do século VIII ou IX e tinha cravado no peito uma estaca de ferro. O corpo do 'vampiro' foi levado para o Museu Nacional de História, segundo explicou o arqueólogo responsável pelo achado, Bozhidar Dimitrov. Muitas pessoas têm mostrado algum alarme com o 'vampiro', mas o doutor Dimitrov ironizou nos meios de comunicação, explicando que este já foi "neutralizado há muito tempo".
As superstições sobre 'vampiros' são antigas e foram praticadas em toda a Europa, sobretudo quando havia epidemias. Estas medidas de segurança não eram vinganças pelo passado das pessoas, mas simples acasos. Por exemplo, quando os cemitérios eram mexidos, devido ao número elevado de vítimas, por vezes exumavam-se corpos bem preservados. Bastava isso para espalhar o medo de que estes mortos regressavam à vida. Por precaução, eram submetidos aos rituais macabros associados às lendas dos vampiros.

terça-feira, 12 de junho de 2012

O dente da preguiça gigante

Alexander Kellner destaca evidência direta da interação entre os humanos e esses animais

A coluna "Caçadores de fósseis" deste mês por Alexander Kellner tem como destaque o dente da preguiça gigante, um fóssil encontrado em Sergipe, que traz evidência direta da interação entre os humanos e esses animais. A coluna sugere questões sobre como se comprova a alteração de um material pela ação humana e quando essa megafauna se extinguiu. Na imagem, reconstituição da paisagem de Sergipe há 40 mil anos, com diversos representantes da megafauna que viviam na região, entre eles, a preguiça gigante. (arte: Marcelo e Tânia Viana; concepção: Mário Dantas). Veja mais imagens da Preguiça Gigante na Galeria ARACNO.

A coluna "Caçadores de fósseis" é publicada na segunda sexta-feira do mês no site CH Instituto Ciência Hoje.

sábado, 9 de junho de 2012

A maior e mais majestosa caverna no mundo

Hang Son Doong, no Vietnã é a maior caverna no mundo

A entrada da caverna, um portal de 1,5 quilômetro. Em um dos skylights (buracos a partir do topo das montanhas da caverna), praticamente uma selva se instalou no entorno. Apesar de descoberta no começo dos anos 1990, foi somente em 2009 com uma expedição especializada inglesa que Hang Son Doong se tornou pública. Foi descoberta em 1991 perto da fronteira do Laos, agora no batizado Phong Nha-Kẻ Bàng National Park. Um assobio assustador vem de dentro da enorme, gigantesca entrada, ou melhor, portal de 1,6 quilômetro (tem nome também, Hang En). Veja toda a majestade em imagens incríveis na Galeria ARACNO.
Trata-se de um zumbido criado pelo largo rio subterrâneo de águas rápidas, o Rao Thuong River, que reverbera pelas paredes e se transforma em pequenos lagos ao longo de seu caminho nos meses secos. É um mundo perdido em quatro quilômetros de extensão e 91 metros de largura e 240 de altura – é grande o suficiente para acomodar um prédio de 40 andares. Que tal? Você é um aventureiro, quer ir até lá? Os pesquisadores ingleses Howard e Deb Limbert ficaram quatro dias por lá, em 2009, mas foram “barrados” por uma parede de calcita. Daí muito da caverna continuar inexplorado.
Alguns buracos que passam luz do dia foram criados por quedas de pedras gigantescas (do tamanho de prédios) do teto. Mas é mesmo a maior caverna? Existe o longo sistema de cavernas Mammoth nos Estados Unidos, a profundíssima Krubera-Voronja na Georgia ou a atual recordista Deer Cave, na Malásia, mas nenhuma se compara com a enormidade em conjunto da Hang Son Doong. (Foto: Getty Images) Fonte: GQ.globo.com

terça-feira, 5 de junho de 2012

Os pássaros encerraram era dos insetos gigantes

Menor tamanho ajudou insetos a fugirem de pássaros predadores

Segundo os cientistas, um novo estudo da Universidade da Califórnia sugere que a evolução dos pássaros foi determinante para o fim da era dos insetos gigantes na Terra. A época em que as aves começaram a estabelecer seu lugar nos céus é a mesma na qual os insetos grandalhões perderam espaço, há 150 milhões de anos. A pesquisa foi divulgada nesta semana na edição online da revista científica “PNAS”, da Academia Americana de Ciências.
Segundo estudos, os insetos gigantes viveram nos céus pré-históricos em uma época em que a atmosfera da Terra era rica em oxigênio. Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o tamanho dos insetos tinha relação com altas concentrações de oxigênio – cerca de 30%, comparada aos atuais 21%, em média.
“Em torno do final do período Jurássico e início do Cretáceo, cerca de 150 milhões de anos atrás, de repente o nível de oxigênio sobe, mas o tamanho do inseto diminui. E isso coincide de forma impressionante com a evolução dos pássaros”, diz Matthew Clapham, autor do estudo.
O maior inseto chegou a ter 70 centímetros há 300 milhões de anos.

Leia Também