sábado, 13 de outubro de 2012

Tricerátops


O tanque de guerra pré-histórico

Tricerátops, um dinossauro herbívoro que se deslocava sobre as quatro patas e é pertencente à família dos ceratopsídeos. Esta família é caracterizada por seus animais que possuíam grandes chifres na cabeça.
O primeiro Tricerátops foi descoberto em 1888, em Denver, nos Estados Unidos. Esta espécie de dinossauro viveu no período Cretáceo, era Mesozóica, há aproximadamente 66 milhões de anos na região a qual hoje denominamos como América do Norte. Era um grande animal que chegava a pesar até cinco toneladas, possuindo até nove metros de comprimento e 3,5 m de altura. Na linguagem científica recebeu o nome de Triceratops horridus.
Esse animal apresentava uma estrutura corporal muito forte. Não bastasse o fato de que viviam em bandos, o que os proporcionava mais segurança no combate a seus predadores, eram dotados de grande força física e chifres afiados. Possuía uma cabeça muito grande e extremamente caracterizada pela força. Seus hábitos alimentares faziam com que fossem dotados de maxilares laterais e bochechas fortes. Mesmo como herbívoros, seus dentes eram muito afiados e um bico curvado na ponta da boca, o que indica que provavelmente se alimentavam de plantas muito duras e resistentes.
A cabeça do Tricerátops, além de dotada de mecanismos que o favoreciam em seus hábitos alimentares, também constituía um grande elemento de defesa. Esse dinossauro era detentor de uma couraça que circulava sua cabeça, mas os principais elementos eram os chifres. O Tricerátops foi o maior dos dinossauros herbívoros que possuíam chifres, os quais apontavam sobre os olhos e sobre o nariz do animal.
Os chifres do Tricerátops são as principais características desse animal que atraem o interesse dos pesquisadores. Dois deles cresciam sobre os olhos e alcançavam enorme tamanho, já o terceiro era em tamanho bem mais reduzido e crescia sobre o nariz. Esses chifres eram usados provavelmente em duas situações. Uma das situações era para determinar a hierarquia no bando em que viviam, nos confrontos pelo acasalamento com as fêmeas os animais com maiores chifres e capazes de submeter o concorrente levavam a melhor. Já o outro momento em que tais chifres eram importantes era no combate pela sobrevivência contra seus predadores. Os três chifres mais a força muscular da cabeça do animal favoreciam ao Tricerátops uma grande defesa ao ataque dos carnívoros. Pesquisas recentes mostram que um ataque desse animal poderia ser tão fatal quanto o de um carnívoro, o que deixava a disputa intensa. O conflito entre o predador e o Tricerátops era decidido na primeira falha que um dos dois apresentasse, o que tornava a caça dos carnívoros pelos Tricerátops muito mais complicada.

Leia Também