segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Encontrados no Piauí fósseis de 280 milhões

Fósseis são de anfíbios desconhecidos

Pela primeira vez esqueletos de animais desse período são descobertos em todo o hemisfério sul. “Em todo o hemisfério sul não se conhecia nenhuma fauna terrestre dessa idade” diz o professor Juan Cisneros, um dos responsáveis pela descoberta. Juan e sua equipe encontraram três espécies de anfíbios até então desconhecidas.
Essas três espécies de anfíbios viviam em um lago cristalino no lado piauiense da cordilheira que separava o Piauí do Texas, que há 280 milhões de anos o Piauí e o Texas não eram tão longe assim. Saiba os detalhes dessa incrível descoberta em GALILEU.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Descoberto o 'ornitorrinco' dos dinossauros

'Chilesaurus diegosuarezi' tem corpo que lembra vários grupos de dinossauros

No sul do Chile, cientistas encontraram fósseis de um dinossauro estranho, com uma combinação tão incomum de traços, que forçou a equipe a comparar o "novo" réptil a um ornitorrinco, mamífero australiano com bico de pato que põe ovos.
Nomeado Chilesaurus diegosuarezi, o dinossauro é membro do mesmo grupo do Tyranossaurus rex, terópodes, que inclui o maior carnívoro terrestre da história. No entanto, o lagarto pré-histórico só comia plantas, com um bico e dentes em formato de folha.
O crânio e o pescoço lembram os dinossauros primitivos que possuíam o pescoço comprido, e a vértebra remete aos carnívoros. O novo dinossauro possui braços robustos, mas com dois dedos em cada mão.
Era bípede, mas seus pés largos e com quatro dedos cada eram diferentes da maioria dos terópodes. Os fósseis também mostraram que o animal descoberto possuía uma pélvis semelhante a de pássaros.
"O Chilesaurus constitui um dos dinossauros mais bizarros já encontrados", disse o paleontólogo Fernando Novas, do Museu Bernardino Rivadavia de Ciências Naturais, em Buenos Aires, chamando a criatura de um "quebra-cabeça".
Quatro esqueletos quase completos e dúzias de ossos de outros indivíduos foram encontrados, tornando o Chilesaurus um dos dinossauros mais conhecidos do período Jurássico do Hemisfério Sul. A pesquisa foi apresentada na revista "Nature".

quarta-feira, 8 de abril de 2015

O Brontossauro está de volta

Gênero foi revelado em 1879 e depois constatou-se que era um Apatossauro

Cientistas revelaram nesta terça-feira (7) uma extensa análise de fósseis de Brontossauro, descobertos pela primeira vez nos anos 1870, e de dinossauros com relação próxima. A conclusão foi de que o herbívoro com imenso pescoço não era um Apatossauro, merecendo, assim, recuperar sua denominação original.
O paleontólogo Emanuel Tschopp, da Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, enumerou importantes diferenças anatômicas entre as duas espécies, sendo o Apatossauro de compleição maior e dono de um pescoço mais largo do que o Brontossauro.
"As diferenças entre o Apatossauro e o Brontossauro são numerosas o bastante para ressuscitar o Brontossauro como um gênero separado do Apatossauro", disse Tschopp.
O Brontossauro, que viveu na América do Norte cerca de 150 milhões de anos atrás, no período jurássico, tinha cerca de 22 metros de comprimento e pesava em torno de 40 toneladas.
"O Brontossauro e o T. Rex são os dois nomes de dinossauros mais populares de todos os tempos", disse o paleontólogo Octávio Mateus. "Mesmo 112 anos após os paleontólogos o considerarem inválido, o nome Brontossauro ainda ecoa na cultura popular. É, de fato, um nome de dinossauro muito legal."

Leia Também