Pangea 3D

Viaje por um mundo totalmente hostil e magnífico, prepare seu óculos 3D e boa viagem ao supercontinente Pangea


A história do supercontinente Pangea

Em 1910, o alemão Alfred Wegener, desenvolveu a teoria da deriva continental, que revolucionou o estudo científico da Terra no século 20. Era meteorologista e geofísico na Univercidade de Graz, na Áustria. Uma massa única de terra, que nomeou de Pangea, quebrou-se e derivou 200 milhões de anos atrás. A evidência de Wegener para sua teoria era o encaixe das peças recortadas dos continentes separados, assim como a combinação de descobertas de rochas e fósseis. Sua teoria, a princípio, encontrou hostilidade, e só ganhou suporte com o desenvolvimento da teoria das placas tectônicas.

Você encontra mais imagens incríveis 3d no Blog Mundo Pré-Histórico
Entre 295 e 250 milhões de anos, as duas maiores massas continentais do inicio do Permiano – Laurásia no norte e Gondvana no sul – colidiram no final do período para formar o supercontinente Pangea. O Clima do Pangea tornou-se mais quente e seco. Enquanto o sul parece ter sido relativamente frio, condições tropicais prevaleceram no norte. Porém, as chuvas e os nevoeiros que se originavam no mar não podiam mais avançar para o interior do supercontinente e, como resultado, algumas partes do mundo permiano tornaram-se mais secas e quentes. Desertos tornaram-se cada vez maiores e animais não adaptados para viver em condições áridas foram extintos.

Entre 250 e 203 milhões de anos, o vasto supercontinente Pangea estendeu-se sobre o Equador durante o Triássico. Sugere-se que posteriormente teria se partido, a partir do estreito mar da Europa e outra faixa de mar, o Tethys, que se estendia sobre a Europa.

Entre 203 e 135 milhões de anos, o supercontinente Pangea se dividiu quando o Atlântico se abriu, entre as áreas que hoje formam a África e a América do Norte. Os continentes que mais tarde se tornariam Antártica, Índia e Austrália começaram a mover-se para longe do resto de Pangea. O clima era quente e como não havia calotas polares, o nível do mas era alto por todo o mundo.

Entre 135 e 65 milhões de anos por volta do período Cretáceo, Pangea tinha se separado novamente em dois continentes Laurásia no norte e Gondvana no sul, estes continentes foram por sua vez, se quebrando em pedaços até se formar os continentes que existem hoje.

Leia Também